[ Imprimir ]
 
Defesa Civil registra o dobro de queimadas diárias em abril
Defesa Civil registra o dobro de queimadas diárias em abril

Limeira está com média de quatro queimadas por dia no mês de abril, afirmou coordenador da Defesa Civil, Miquéias Balmant. A quantidade é o dobro da média diária registrada no mês passado. Ontem, um incêndio de grandes proporções em uma área verde entre o Parque Residencial Belinha Ometto e Rodovia dos Bandeirantes assustou os moradores da região.

A nuvem de fumaça tomou conta dos bairros Belinha Ometto e Parque Nossa Senhora das Dores. O incêndio, que iniciou por volta das 15h, em poucos minutos devastou o capim do terreno, preocupando principalmente moradores da Rua Professor Ary Levy Pereira, paralela à área prejudicada. “Precisei fechar a porta do estabelecimento. A fumaça invadiu as prateleiras e entrou na minha residência. Fui obrigada a ligar o umidificador de ar, pois meu filho tem bronquite e não pode ficar exposto à fumaça”, explicou a proprietária do minimercado, Elmarice Lins Lima Pereira.
O carroceiro Antônio Alves Pereira precisou retirar seu animal do pasto. “Resgatei meu cavalo, pois fiquei com medo de deixá-lo em meio à fumaça.
Ninguém sabe como começou o incêndio. Quando os moradores perceberam, o fogo já estava alto”, conta. Onofra Júlia Pereira também foi prejudicada. “Precisei sair mais cedo do mercadinho onde trabalho por causa da fumaça, que causa falta de ar e tosse”, contou.
Por volta das 15h30, o vento direcionava a nuvem de fumaça em direção ao Jardim Santa Adélia, prejudicando motoristas que trafegavam na rodovia que liga Limeira a Iracemápolis. Desse ponto, já não era mais possível observar o Morro Azul.
Para conter o incêndio, a Usina Iracema disponibilizou quatro caminhões-pipa. Além disso, oficiais do Corpo de Bombeiros foram acionados. Porém, em função das condições ruins de acesso ao foco da queimada, o caminhão da coorporação não chegou ao local, que fica próximo ao prédio da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb). O incêndio durou até por volta das 16h30, mas a fumaça ficou até, pelo menos, às 17h.

QUEIMADAS

Queimadas desse tipo estão sendo comuns no mês de abril. De acordo com Balmant, foi registrado o dobro de chamadas na Defesa Civil em comparação ao mês passado. “É média de quatro solicitações por dia para atender a incêndios em terrenos baldios e em áreas verdes.
No mês passado, eram apenas dois pedidos diários”, contou.
Ontem, além do incêndio registrado no Residencial Belinha Ometto, a coorporação recebeu outras três chamadas. “Não fomos na região do Morro Azul, pois os caminhões da Usina, proprietária do terreno, já estavam lá Porém, socorremos outros pontos, como Vila Labak, Jardim Planalto e próximo ao Residencial Casalbuono”, relatou.
Balmant disse que a população deve estar consciente dos males causados pela queimada irregular. “Não é necessário usar fogo para limpar terrenos. Além disso, a fumaça e a fuligem são prejudiciais à saúde e ao meio ambiente.
Durante o incêndio no Belinha Ometto, uma mulher ligou desesperada pedindo socorro. Ela informou que trancou a mãe, que tem problemas respiratórios, no quarto e colocou toalhas molhadas nos vãos de janelas e portas para impedir a entrada da fumaça. Outro grave problema é a fuligem.
A fumaça é mais densa do que a camada fria que chega no início da noite. Consequentemente, ela não sobe e não se dissipa.
Assim, ela fica na horizontal e transporta as partículas por quilômetros de distância”, conta.
CETESB

O gerente da Cetesb em Limeira, Adilson Rossini, disse que dois agentes da agência foram ao local do incêndio. “No planejamento da Operação Inverno foi definido que a Cetesb ficaria responsável em analisar os incêndios em palhas de cana. Fogo em terreno é de responsabilidade da Defesa Civil e do Corpo de Bombeiros. Contudo, como a queimada foi de grandes proporções e ocorreu perto do prédio da agência, não poderíamos deixar de apurar a procedência e enviamos dois agentes”, contou.
Segundo Rossini, a Usina São Martinho atendeu a Cetesb imediatamente. “Ao observar a fumaça, ligamos para a usina, possível proprietária do terreno. No mesmo momento, enviaram os caminhões-pipa para conter as chamas.
Temos registro fotográfico da ocorrência e constatamos que foi apenas queima de mato”, completa.
A assessoria de imprensa da AutoBan, empresa responsável pela Rodovia dos Bandeirantes, informou que a fumaça não prejudicou o atendimento no pedágio. Além disso, não recebeu nenhuma queixa até as 17h de ontem. (DM/ Colaborou Cláudia Kojin)
 
[ Imprimir ]